Uma via de penetração das legiões romanas á Galiza

Esta via de penetração das legiões romanas adentra-se plenamente no território da actual Galiza procedente de O Bierzo. Esto facto é historiograficamente bastante relevante pois os assentamentos militares romanos escavados até agora na Galiza (A Cidadela, Bande) correspondem-se com fases de época romana posteriores às guerras de conquista do Noroeste. Até cinco acampamentos podem associar-se directamente com esta rota militar, encontrando-se quatro na zona de Lugo y outro no Bierzo.

Este último, chamado de Serra da Casiña, situa-se no concelho de Valboa, próximo de Villafranca e sobre una via tradicional de acesso à Galiza.

Este último, chamado de Serra da Casiña, situa-se no concelho de Valboa, próximo de Villafranca e sobre una via tradicional de acesso à Galiza.

Uma possível base logística romana em Sarria

Como já se documentou noutros pontos da Península Ibérica (Herramélluri –La Rioja-, Sasamón –Burgos-), o exército romano podia utilizar de forma reiterada um determinado espaço durante o desenvolvimento de uma ou várias campanhas militares se o lugar se adaptasse às suas necessidades tácticas, estratégicas e logísticas dentro do cenário bélico. A Chá de Santa Marta, entre Láncara e Sarria, constitui um conjunto arqueológico único na Galiza, com pelo menos três possíveis acampamentos romanos no ponto de saída do maciço montanhoso galaico-leonês. Cabe a possibilidade de que este lugar funcionasse como base logística e de agrupação de tropas.

Os tres campamentos de A Chá de Santa Marta na foto aérea de 1956

Enfrentando o cruzamento do rio Minho

O acampamento de Monte dos Trollos (0 Páramo, Lugo) está localizado numa posição muito estratégica, no topo de uma colina e nas proximidades de uma passagem natural do rio Minho. A sua distância em relação à A Chá de Santa Marta é de exactamente um dia de marcha (aproximadamente 16 km).

One Comment

  1. Sempre pensei que a tradicional historia que deixaba a conquista de Galicia para Xulio Cesar no 60 ac. non tiña muito sentido. A intención histórico politica de asturianos e cantabros en apropiarse eles sos do “mérito” da derradeira defensa contra a invasión romana esta, agora, a ser reconsiderada grazas aos esforzos de Mgago e outros estudosos. Campamentos da època da conquista xa estan aparecendo, agora falta intentar o esclarecemento do mito do monte Medulio que agora rexurde das suas cinzas e merece novos esforzos e investimentos.
    Obrigado a todolos investigadores polo seu esforzo e xenerosidade.

    Reply

Responder a carlos olbes Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*