Quatro novos acampamentos romanos localizados na Galiza

Foi publicado na revista científica Gallaecia. Revista de arqueoloxía e antigüidade, editada pelo Departamento de Historia da Universidade de Santiago de Compostela, a descoberta de quatro novos acampamentos romanos localizados nas províncias de Lugo e Ourense. Estes sítios confirmam uma ativa presença militar romana no território da atual Galiza e a sua descoberta permite-nos avançar no processo de conquista romana deste território. Desde 2011, quando foi revelada a descoberta de A Recacha (Navia de Suarna), 17 novos assentamentos militares foram documentados – no todo ou em parte – na Galiza, alguns dos quais ainda estão ainda em fase de estudo. A estes será necessário acrescentar os fortes romanos de A Cidadela (Sobrado dos Monxes, A Coruña) e Bande (Ourense).

O recinto de Penedo dos Lobos.

O artigo, intitulado “Hallazgos arqueológicos recientes para el estudio de la presencia militar romana en el oriente gallego” e assinado pelos investigadores José Manuel Costa-García, João Fonte, Manuel Gago Mariño, Andrés Menéndez Blanco e Valentín Álvarez Martínez, inclui os seguintes recintos:

A Penaparda (A Fonsagrada, Lugo – Santalla d’Ozcos, Astúrias). Este acampamento de cerca de dez hectares de extensão foi escavado em outubro pela equipa de romanarmy.eu, uma intervenção promovida pelo Município de A Fonsagrada e financiada pela Deputación Provincial de Lugo. Os arqueólogos documentaram a estrutura construtiva do recinto, com parapeito de pedra e terra, bem como um fosso externo.exterior.

O recinto da Penaparda. Visualización LiDAR.

Monte de Ventín (Pol, Lugo). É um sítio de enorme extensão em forma de naipe irregular, localizado na freguesia de Santiago de Ventín e muito perto do Castro de Viladonga. Tem 13,55 hectares e poderia ter alojado entre 6.600 e 8.600 soldados, sendo um dos maiores do Noroeste da Península Ibérica.

O recinto de Monte de Ventín. Visualización LiDAR.

Penedo dos Lobos (Manzaneda, Ourense). Este sítio está localizado a quase 1.500 metros de altura e muito perto da estação de esqui da Manzaneda, e tem cerca de 2,4 hectares (cerca de 1500 homens). Conserva as quatro portas de entrada e é construído com um parapeito de pedra, sendo um dos poucos exemplos da Península Ibérica deste tipo. É, além disso, um dos recintos militares romanos temporários melhor conservados até à data.

O recinto de Penedo dos Lobos. Fotografía aérea.

Cabeza do Pau (Petín, Ourense). O recinto está no topo de uma colina, entre as paróquias de Mones e Santoalla del Monte, a mais de 1200 metros de altitude. Conta também com um parapeito de pedra e está fechando o topo de uma colina, com uma posição dominante sobre a sua envolvente. O parapeito delimita uma área de 11 hectares, embora a superfície útil do acampamento possa ser muito menor.

O recinto de Cabeza de Pau. Visualización LiDAR.

Os quatro novos acampamentos romanos localizados revelam a dispersão das operações militares romanas em todo o território galego e o movimento das tropas militares, embora ainda não seja possível determinar as direções ou missões que enfrentaram esses contingentes. Do mesmo modo, ainda não é possível confirmar episódios de violência e guerra contra a população indígena, mas deve ter-se em conta que encontrar evidências de confronto é extremamente difícil no contexto da investigação sobre a conquista romana da Europa atlântica.

Podes descarregar o artigo neste link.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*