Homens na montanha: visões sobre um relato que não interessa (tanto) às mulheres

The Matrix : 3-1 vs 6-1.
The Matrix : 3-1 vs 6-1.

Este não é um espaço de análise dos resultados, disso já se encarregarão eles, mas um lugar para pensar, onde contar a memória de esses dias desde outros olhares que não estão sempre presentes no nosso projecto. Este é um post escrito desde o outro lado, sobre homens arqueólogos e investigadores, sobre Romanarmy.eu, sobre algumas carências e muitos sucessos.

No es este un espacio de análisis de los resultados, de eso se encargarán ellos, sino un lugar para pensar, donde contar el recuerdo de aquellos días desde otras miradas que no siempre están presentes en nuestro proyecto. Este es un post escrito desde el otro lado, sobre hombres arqueólogos e investigadores, sobre Romanarmy.eu, sobre algunas carencias y muchos aciertos.

Arranca la campaña. Los exploradores se adelantan a las tropas para comprobar la situación del terreno.
Arranca a campanha. Os exploradores adiantam-se às tropas para comprovar a situação do terreno.

O que pode acontecer quando juntas numa mesma frase arqueologia, acampamentos, exército romano, armamento, estratégia, metodologia, novas tecnologias, prospecção, inovação, difusão, comunicação, ciência pública, sinergia, entusiasmo, avidez, imediato, empenho, procura, outsider, feedback, empreendimento e ensaio? Surge Romanarmy.eu (RA).

Desde o meu ponto de vista, RA é quase uma anomalia no sistema, uma pequena Matrix no mundo da arqueologia (pretensioso?), que tenta conciliar um espaço de entendimento entre dois mundos paralelos, a realidade da academia e outro que está por construir com base nuns parâmetros (modo 2 de produção de conhecimento; ciência pós-normal) que nunca se implementaram nas suas máximas consequências. Talvez resulte uma afirmação presunçosa, mas o certo é que procura, a partir de modelos de investigação individuais (de indivíduo) e independentes (o que corresponde a cada um dos que formamos parte de RA), construir um grupo de trabalho centrado na arqueologia militar romana, sem mais pretensões (inicialmente) que estabelecer sinergias, juntar esforços, trabalhar em grupo, multiplicar potencialmente os nossos resultados, testar métodos de trabalho, motivar-nos y fazê-lo fora dos canais ortodoxos. Romanarmy.eu é a nossa matrix da arqueologia militar romana. O que não sei é se isso quer dizer alguma coisa ou não.

Tras adelantarse los exploradores, los mentores seleccionan el mejor lugar de acampada y, con los instrumentos adecuados, definen los ejes mayores del recinto y su perímetro. La X marca el lugar.
Após adiantar-se aos exploradores, os mentores seleccionam o melhor lugar de acampada e, com os instrumentos adequados, definem os eixos maiores do recinto e o seu perímetro. O X marca o lugar.

Temos vários handicaps, talvez o que sai mais recorrentemente nas nossas conversas é o seguinte: há muitos Neos e pouca Trinity. Este é um dos principais problemas que não só atinge o nosso grupo, mas é um facto recorrente no contexto geral da arqueologia do conflito na península, as mulheres que se dedicam ao conflito são escassas.

Os dados são evidentes. No nosso perfil de Facebook 65% dos fans são homens frente a um exíguo 33% de mulheres. A desproporção, comparada com outras páginas de âmbito do património cultural e inclusivamente do arqueológico sobre as quias temos dados estatísticos, é evidente e considerável (Muro de Medeiros: 50% mulheres, 49% homens; Croas de Niñóns: 44% mulheres, 55% homens; Proxecto Mougás: 46% mulheres, 52% homens; Sanlourenzo.net: 46% mulheres; 53% homens; patrimoniogalego.net: 46% mulheres, 52% homens; Croa do Castro de Cerqueda: 49% mulheres, 49% homens). Ainda que existe sempre uma ligeira tendencia para uma maior presença masculina (que se inverte, muitas vezes, noutras páginas de âmbito cultural não arqueológico).

Parece que quando se tratam de batalhas, armas, máquinas de guerra, acampamentos, marchas ou exércitos, despertamos mais o interesse masculino que o feminino. Talvez usemos linguagens ou enfoques pouco atractivos; o talvez esta temática não seja do interesse de um público amplo feminino. Arqueologia masculina, para públicos masculinos. Estou convencida de que para que isto mude, temos que incorporar-nos à construção do discurso histórico participando, desde abaixo, em projectos sobre conflitos… ou seguiremos à margem. Este é um tema que em RA estamos a tentar analisar para buscar formas de integrar outras idades e géneros. E esta é precisamente outra das coisas que me atrai de RA, o esforço adicional e contínuo para identificar os nossos problemas e tentar corrigi-los. Podemos fazer que o projecto cresça de duas formas, explorando apenas o que funciona, ou identificando carências, para procurar colmatá-las e expandir-nos a outros públicos. A segunda é uma táctica mais lenta a largo prazo; a primeira é mais a curto prazo, podemos morrer de êxito… pelo caminho, como uma bolha que explode.

Seleccionado el espacio de acampada, acotado el lugar y construido el perímetro, toca preparar el espacio interior del campamento. Lo primero, limpiar el lugar.
Seleccionado o espaço de acampada, delimitado o lugar e construído o perímetro, toca preparar o espaço interior do acampamento. O primeiro, limpar o lugar.

Temos outros handicaps, como a carência de financiamento estável, pois limitamo-nos a colocar sobre a mesa parte do nosso tempo e a contar, como nesta campanha, com o apoio pontual de alguma instituição[1] y administração[2] que apostaram por esta linha. Ou a escassa internacionalização, aspecto que pode mudar com a nova situação de parte de vários integrantes da equipa. Ou o crescimento de uma organização em base à demanda, segundo as necessidades do própio projecto e dos nossos interesses pessoais; não existiu ainda uma análise prévia que nos permitisse identificar de partida que estrutura de funcionamento queríamos, sebão que foi a própria estrutura que se foi configurando. Aspectos sobre os quais seguiremos a trabalhar.

Avituallamiento de la tropa y proceso de aculturación.
Aprovisionamento da tropa e processo de aculturação.

6a

Acampada. La montaña es nuestra.
Acampada. A montanha é nossa.

Pensando bem, RA é quase o Nabucodonosor (Nebuchadnezzar) que nos interliga com a arqueologia que queremos fazer, entusiasmados com uma simulação arqueológica que pretendemos prolongar através deste projecto. Uma experiência que usa o conflito como desculpa. RA é mais do que isso, é um ensaio sobre que arqueologia queremos, que modelo de investigação queremos, que relação horizontal queremos entre nós. E talvez o que mais me atrai seja a constante procura de linguagens para o entendimento, desde o respeito e o olhar atento ao que faz o outro ou a outra. Não sei o porque de seguirmos a ser tão poucas. De qualquer modo, tranquiliza-me que estas sejam umas reflexões partilhadas com preocupação por toda a equipa, homens e mulher.

Los instrumentos. Tras un último reconocimiento del terreno, levantaron el campamento y se dirigieron cara a otras campañas.
Os instrumentos. Depois de um último reconhecimento do terreno, levantaram o acampamento e dirigiram-se para outras campanhas.

Rebeca Blanco-Rotea

[1] Grupo de Investigação Síncrisis da USC ou Incipit do CSIC.

[2] Ayuntamiento de Teverga e Dirección General de Patrimonio Cultural del Principado de Asturias.

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


*